segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

O CÂNTICO DAS LEGIÕES CELESTES

Muitos acreditam que os grandes feitos realizados por Jesus foram as maiores evidências de sua natureza excepcional, que transcendia a condição humana. Outros não admitem a possibilidade de tais feitos, por contrariarem o conhecimento estabelecido da atualidade.
Mas todos, crentes e materialistas, podem reconhecer algo extraordinário que surgiu com Jesus: sua forma de ver e tratar as pessoas baseada no amor, independente de sua condição social ou cultural. Se outros antes de Jesus conceberam fraternidade e perdão, como forma de estabelecer relações entre as pessoas, não o fizeram em público, desafiando todos como ele o fez.
Qual o significado do cântico das legiões celestes, ao anunciar aos pastores o nascimento de Jesus, “Gloria a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade entre os homens”?


Palestra realizada em 26 de Dezembro de 2016 no


Palestra realizada em 17 de Dezembro de 2016 no


Palestra realizada em 18 de Dezembro de 2015 no

Palestra realizada em 23 de Dezembro de 2014 no
 

Palestra realizada em 12 de Dezembro de 2014 no

Palestra realizada em 06 de Dezembro de 2014 no
 Centro Espírita Zilda Gama
 

 Palestra realizada em 07 de Janeiro de 2014 no
Centro Espírita Jesus

Palestra realizada em 23 de Dezembro de 2013 na

Palestra realizada em 01 de Dezembro de 2013 no
CECAP - Centro Espírita Cristão Canto da Prece
Rua Jequirituba, 637 - Cidade Dutra - São Paulo


Palestra realizada em 01 de Dezembro de 2013 na
Casa da Prece Chico Xavier
Rua Capitão Macedo, 438 - Vila Mariana - São Paulo


Vídeos exibidos nas palestras





NATAL
"Glória a Deus nas Alturas, paz na Terra e boa vontade para com os homens”.
(LUCAS, 2:14)
O cântico das legiões angélicas, na Noite Divina, expressa o programa do Pai acerca do apostolado que se reservaria ao Mestre nascente.
O louvor celeste sintetiza, em três enunciados pequeninos, a plataforma do Cristianismo inteiro.
Glória Deus nas Alturas, significando o imperativo de nossa consagração ao Senhor Supremo, de todo o coração e de toda a alma.
Paz na Terra, traduzindo a fraternidade que nos compete incentivar, no plano de cada dia, com todas as criaturas.
Boa Vontade para com os homens, definindo as nossas obrigações de serviço espontâneo, uns à frente dos outros, no grande roteiro da Humanidade.
O Natal exprime renovação da alma e do mundo, nas bases do Amor, da Solidariedade e do Trabalho.
Dantes, os que se anunciavam, em nome de Deus, exibiam a púrpura dos triunfadores sobre o acervo de cadáveres e despojos dos vencidos.
Com o Enviado Celeste, que surge na Manjedoura, temos o Divino Vencedor arrebanhando os fracos e os sofredores, os pobres e os humildes para a revelação do Bem Universal.
Dantes, exércitos e armadilhas, flagelos e punhais, chuvas de lodo e lama para a conquista sanguinolenta.
Agora, porém, e um Coração armado de Amor, aberto à compreensão de todas as dores, ao encontro das almas.
Não amaldiçoa.
Não condena.
Não fere.
Fortalecem as boas obras.
Ensina e passa.
Auxilia e segue adiante.
Consola os aflitos, sem esquecer-se de consagrar o júbilo esponsalício de Caná.
Reconforta-se com os discípulos no jardim doméstico; todavia, não desampara a multidão na praça pública.
Exalta as virtudes femininas no Lar de Pedro; contudo, não menospreza a Madalena transviada.
Partilha o pão singelo dos pescadores, mas não menoscaba o banquete dos publicanos.
Cura Bartimeu, o cego esquecido; entretanto, não olvida Zaqueu, o rico enganado.
Estima a nobreza dos amigos; contudo, não desdenha a cruz entre os ladrões.
O Cristo na Manjedoura representava o Pai na Terra.
O cristão no mundo é o Cristo dentro da vida.
Natal! Glória a Deus! Paz na Terra! Boa Vontade para com os Homens!
Se já podes ouvir a mensagem da Noite Inesquecível, recorda que a Boa Vontade para com todas as criaturas é o nosso dever de sempre.
Emmanuel
(Do livro ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL, Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário